A Rota das Abolições da Escravidão
e dos Direitos Humanos
 
  As homenagens aos locais


“O antilhano da diáspora africana, exprime seu maior reconhecimento aos homens e mulheres de CHAMPAGNEY A GRANDE. Mas longe dos erros, das culpas e dos crimes, essa mão dada com franqueza desde 1789, obliga os descendentes de escravos a seguir homenageando a França. Da qual alma foi salva em Champagney aquele dia 19 de março."


Camille Darsières, deputado da Martinica. Livro de Ouro de Champagney.



" Cuando Toussaint Louverture veio, foi para tomar ao pé da letra a Declaraçao dos Direitos do Homem, para mostrar que nao tem raça paria, que nao tem pais marginal, que nao tem povo de exceçao"

Aimé Césaire, pai do movimento pela negritude. Premiado do " premio internacional Toussaint Louverture" da Unesco.

Plaque commémorative Toussaint Louverture au Panthéon
Homenagem a  Toussaint Louverture


“A história afirmou... a figura do Abade Gregoire aparece e cresce a medida que as instituções que ele criou vão se desenvolvendo e que as idéias apoiadas por ele entram nos Direitos dos Homens. Gregoire é cada dia mais presente na história da humanidade, pela qual ficará um dos bem feitores.

René Cassin, redator da declaração Universal dos Direitos do Homem proclamada pela Organização das Nações Unidas em 1948.

Tombeau Abbé Grégoire au Panthéon
Sepultura do Abade Grégoire



" A Senhora Javouhey ? E um Grande homem !"

Louis Philippe, Rei dos Françeses, impresionado pela voluntade e  pela obra de Anne Marie Javouhey


“Ao ler em voz alta, da poltrona presidencial, esse texto de lei, breve e claro, que consagrava a imortalidade de Schoelcher, ficava muito comovido. Via surgir ao redor de mim, e subir, como se fosse uma ressurreição súbita, a fila inumerável de todos os oprimidos que durante largos séculos tinham padecido da servidão e que por meio da minha voz unida a sua, gritavam neste instante: Scholcher é um dos bem feitores da Humanidade”

Gaston Monnerville, neto de escravo e Presidente do Conselho da República francesa, na leitura do texto que autoriza a transferência das cínzas de Victor Schoelcher no Panteão Nacional.

Tombeau de Victor Schoelcher au Panthéon
Sepultura de Victor Schoelcher



“Aos grandes homens, a patria agradecida”

Panteão Nacional. Paris.


                     Le Panthéon
               Panteão


Em 1949, pelo centenário da abolição da escravidão, as cínzas de Victor Schoelcher são transferidas no Panteão. No ano siguinte, en 1950, o Papa Pie XII  beatificou Anne Marie Javouhey.Em 1989, nas comemorações do bicentenário da Revolução Francesa, o Panteão acolhe o Abade Gregoire. Nesse mesmo ano uma inscrição é colocada pela memória de Toussaint Louverture.

 

Copyright © 2007 Route des Abolitions tous droits réservés
Réalisation Torop.Net - Site mis à jour avec wsb.sw4torop.net
Plan du site
Avec le soutien financier de :